Imprensa

Flavio Andrade fala sobre transição energética na navegação de apoio marítimo em Seminário no Rio

Flavio Andrade, CEO da OceanPact, participou no último dia 30 de abril do “Seminário Internacional Transição Energética no Mar: Desafios e Oportunidades para o Brasil”, realizado pelo BNDES, Fundação Getúlio Vargas e Marinha, no Rio. O evento reuniu representantes governamentais, empresariais e acadêmicos para delinear bases visando à construção de um Plano Nacional para a Transição Energética no Mar, com diretrizes para subsidiar novas políticas públicas e arcabouços regulatórios.

Flavio destacou a importância das embarcações de apoio marítimo para a indústria de óleo e gás e ressaltou o crescimento acelerado da frota brasileira para acompanhar as demandas do setor, passando de cerca de 100 navios, em 2010, para 372 embarcações, em 2024, de um total de 435 embarcações que operam no Brasil, segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Apoio Marítimo (Abeam).

Discutindo sobre as novas licitações da Petrobras para construção de embarcações no Brasil, Flavio lembrou que as embarcações construídas nos últimos programas de renovação da frota ainda não se pagaram, e que as taxas diárias ainda precisam se recuperar para viabilizar novas construções.

Sobre o desafio da identificação de alternativas ao óleo diesel para propulsão dos navios de apoio marítimo, acrescentou que questões como segurança a bordo e autonomia são complicadores quando se fala em amônia ou etanol, enquanto o HVO (óleo vegetal hidrotratado) seria de aplicação imediata.

Ele lembrou a importância das neutralizações de emissões com o carbono azul, por meio do reflorestamento de manguezais, como exemplo de transição energética no mar, e complementou com alternativas de redução de emissões com o uso de mais barcos autônomos, gliders e até mesmo embarcações à vela operadas remotamente. Também mostrou o estudo de um projeto da OceanPact para a instalação de velas em um navio de combate a derramamento de óleo no mar.

Flavio integrou o painel ao lado de Mauricio Tolmasquim (Petrobras); Arnaldo Calbucci (Wilson Sons); e Raul Portela (Equinor). A mediação foi feita por Lilian Schaefer, vice-presidente executiva da Abeam.